quarta-feira, 28 de outubro de 2015

100 CURIOSIDADES DA EGIPTOLOGIA





Acréscimos ao texto básico do fascículo "Curiosidades da Egiptologia" ( por  Jarbas e Eduardo Vilela ), distribuído aos visitantes da exposição homônima, realizada no  IMSP - Instituto Musical de São Paulo , Faculdade de Música e Educação Artística.
Rua Glicério, 245 - Liberdade.
São Paulo, setembro/outubro de 1976.






O estudo metodológico do Egito antigo chama-se 
 "EGIPTOLOGIA".




Ele teve inicio  com a expedição de NAPOLEÃO BONAPARTE, com a descoberta da  Pedra de Roseta  e a decifração dos hieróglifos por CHAMPOLLION.



"Soldados da pena, soldados da ciência ! 
Do alto destas pirâmides 40 séculos vos contemplam. 
Tendes aqui um dever a cumprir : o de pesquisar. 
O mundo deseja conhecer a história dos egípcios. 
Por isso, avante !"




Era o ano de 1798.
Estas palavras de NAPOLEÃO deram inicio à batalha da Egiptologia.
Um ano depois, um oficial de BONAPARTE descobriu nas proximidades do Fort Saint Julien, em Rosetta,  uma estela com um decreto de PTOLOMEU II, com inscrições em grego, demótico e hieróglifo. 






Foi o sábio francês JEAN-FRANÇOIS CHAMPOLLION quem decifrou aqueles caracteres misteriosos, permitindo reconstituir, em seus mínimos detalhes, todos os milênios da História do Egito antigo.


Ele transpôs as portas de um mundo desconhecido, rompeu os selos intactos dos túmulos e desvendou o mistério do mundo dos faraós.
 




Será difícil contar com exatidão da história da Egiptologia no decorrer dos últimos 100 anos. 
À partir do imenso acervo de documentos que as escavações trouxeram à luz do dia e colocados ao alcance de todos pelas publicações e museística, possuímos uma considerável imagem sobre a vida, o pensamento e as relações desses nossos longínquos antepassados.




A cultura faraônica é patrimônio universal
toda a humanidade tem o direito de
aproximar-se dela,
recebê-la,
apreciá-la e
assimilá-la como uma parte de nossa história comum.


"O homem que lê, medita.
A alma que pensa, se eleva..."
( Pensamento chinês ) 
 



 





 
1 -  
O Egito tem uma história maravilhosa porque é bastante longa. 

A história do Egito se desenrola através de  4 milênios
nós estamos no Brasil com apenas 500 anos, como toda a América. 
Lá foram 4.000 anos.
 
Nós tivemos 2 imperadores. 
Lá foram mais de 400 reis.
 





2 - 
No Egito a História foi gravada para sempre,
nas estátuas de ouro, madeira ou pedra,
nas cores,
nos objetos,
nas múmias,
nos ataúdes,
nos relevos,
pinturas ou gravuras.
 
Ali, cada pedra contém um romance
cada templo encerra uma história :
a dos deuses e a dos mortos.
 
No profundo e misterioso silêncio do tempo, pairam vozes de sofrimento,
cânticos festivos,
sagrados e profanos,
ordens imperativas,
perfumes de incenso e mirra.



 
 
3 - 
Essa gente inventou
o calendário,
o alfabeto
e o primeiro relógio : a clepsidra
Iniciou a Anatomia e a Patologia.






4 -  
Nessa terra, JOSÉ foi vendido como escravo e se tornou ministro de um rei hikso, povo invasor. 

Aí viveram

HATSCHEPSUT  - a "rainha-faraó",
NEFERTITE e AKHENÁTEN - o "servidor do sol",
TUTANKHAMEN -  o 'faraó-menino" e 
RAMSÉS II -  o criador de um mundo de pedra.

Aí, MOISÉS  "aprendeu toda sua sabedoria dos egípcios" e libertou os hebreus das terras de Goshen.

Aí, ASSURBANÍPAL, CAMBISES e ALEXANDRE lutaram pela posse de todo o oriente. 

Aí,  CLEÓPATRA  conquistou  JÚLIO CÉSAR   e   MARCO ANTONIO. 

Essa terra acolheu a  Sagrada Família  e  salvou  JESUS-menino da perseguição de HERÓDES.




 

 

5 -   




Para sobreviver e chegar à grandiosidade de sua civilização, o Egito teve de domar o maior rio do mundo em extensão : 
Nilo  -  seu único rio


O Egito teve uma das mais notáveis civilizações do mundo, cuja vida econômica baseava-se na agricultura

As inundações periódicas do Nilo deixavam a terra muito fértil e negra  -  por isso eles a chamavam  "TA KEMPT" (= terra negra).
 
Como dizia HERÓDOTO
 
 "o Egito é uma dádiva do Nilo".
 
 
 "Os egípcios não são obrigados a abrir com a charrua os trabalhosos sulcos, quebrar os torrões e a preparar a terra, como fazem os de outras partes.
Quando o rio rega os campos, eles abandonam ali seus porcos e semeiam seus terrenos e, deixando aos animais o trabalho de afundar as sementes, esperam tranquilamente a época da messe."
( HERÓDOTO - "História", II-14 ).






 
6 -  
O Nilo sempre foi a razão para todas as coisas. 
 
Parece-nos impossível viver às suas margens e não termos visões da eternidade !
 
Por que será que tudo aí teve de ser tão grande, tão monumental, maior que a vida ?
 
Vida e morte aí se confundem... e o egípcio sempre vislumbrou o eterno, o divino !
 



 
 
7 - 
O povo egípcio, depois de constituído, passou a ser governado por um rei, cujo nome pessoal era secreto e mágico. 

O rei era um deus que reinava pessoalmente, fisicamente

O povo era, ao mesmo tempo, filho e adorador desse deus.


Essa figura divina adquiriu os dons criadores de (= o deus-sol) e o soberano passou a se apresentar como  "filho de Rá" :  ele recebeu o título de  "faraó" (= luz do sol). 

Suas ordens não podiam ser discutidas... eram ordens de um deus e até a religião funcionava em torno desse rei.
 



 
8 -  

Das 7 maravilhas do mundo antigo escolhidas por FILON de Bizâncio, as pirâmides são as únicas que subsistiram ao poder destruidor do tempo... 

 " Todas as coisas temem ao tempo... e o tempo teme as pirâmides" ! 
- diz um velho ditado árabe. 



Elas comemoram a maior de todas as vitórias :
a vitória sobre a morte.

Jamais se elevou na face da terra uma casa tão sólida e perfeita em rigor astronômico, matemático e geográfico.
 
Muitos propuseram sua construção pelos atlantes, indonésios, feiticeiros e até por seres extraterrenos  -  e se formularam inúmeras outras elucubrações sobre suas funções
 
"os celeiros de JOSÉ",
"templos dos mistérios ocultos",
"observatórios astronômicos",
"barreiras contra as dunas do deserto",
"relógios solares",
"reguladoras do ano agrícola",
"esconderijos de altos segredos" ou de fabulosos tesouros.
 

 
 



9 -
A maior de todas as pirâmides é a do rei QUEÓPS, chamado  KHUFU, na língua egípcia.
QUEÓPS (denominação grega) lançou aos céus uma pirâmide de 149 metros de altura -  o ápice da ambição humana ! 


Por ironia , a única estátua que dele possuímos tem apenas 12 centímetros  (está no Museu do Cairo).




 
 
 
 
 
 
 
 
Essa pirâmide-túmulo é formada por 3 milhões e 500 mil blocos de calcário

Sua área é de 53.000 metros quadrados  (= 3 vezes maior que a Basílica Nacional de Aparecida / e sua altura é de 1 vez e 1/2 a torre dessa igreja.


Outro cálculo afirma que nessa área poderiam caber as catedrais
de São Pedro,
São Paulo,
de Florença,
de Milão
e a Abadia de Westminster.
 
Aos pés dessa montanha de pedras tudo parece minúsculo e insignificante : 
o homem é uma simples formiga.
 




 

 
10 -  
O Egito tem mais de 180 pirâmides espalhadas pela margem esquerda em todo o percurso do Nilo. 

Existem 69 de Gíza a Dashur.

Foram construídas para comemorar a imortalidade dos faraós e como recursos econômicos :  na época das inundações elas davam trabalho ao povo.
 
Ao redor das pirâmides dormem suas rainhas bem-amadas e toda uma corte descansa para a eternidade : 
príncipes,
sacerdotes,
escribas,
cortesãos,
arquitetos 
-  cada qual em sua tumba funerária que chamamos  "mástaba" (palavra árabe). 
 
Ali deixaram escrito que a morte foi vencida !






11 -
A pirâmide satélite do conjunto funerário do rei   SAHURÁ, em Abu-Sir, possui um verdadeiro sistema de canos de cobre para conduzir os líquidos sagrados das libações religiosas para o lado externo dessa construção. 

Os encanamentos medem 300 metros de comprimento e o metal usado veio do Sinai ( ou do deserto oriental ).





 
 

12 -  
No Planalto de Gizé, junto das mais conhecidas pirâmides, ergue-se a famosa esfinge : um estranho monumento com corpo de leão e cabeça humana.
 
Esfinge é palavra grega e quer dizer  "estranguladora".


A esfinge que está no Planalto de Gizé nada tem a ver com aquela de ÉDIPO, muito menos com a sua lenda grega.
 
Aqui no Egito é a guardiã fiel da pirâmide de KAFRÁ  (QUÉFREN, em grego). 

Misteriosa e muda, viu o nascer de todos os sóis que os homens guardam na lembrança; viu todos os faraós, viu CÉSAR e CLEÓPATRA, ALEXANDRE e NAPOLEÃO

É o símbolo da união da força com a inteligência.

Na Idade Média desfiguraram suas feições a tiros de canhão e mosquetes... e a chamam  "Âbu-hôl" (= pai do terror, em árabe).





13 -
Um dia, um príncipe, fatigado de caçar leões, veio descansar à sobra da Esfinge.

Tão cansado estava, que logo adormeceu...
e ela lhe falou, em sonhos :

" Escuta-me, ó meu filho !
  Sou teu pai, o deus HORAKTE  KHEPERURA  ATUM.
  À ti pertencerá a terra em toda sua largura e comprimento.
  À ti estão destinadas todas as riquezas do Egito e os tributos de todas as nações.
  Há muitos anos meus olhos e meu coração estão voltados para a sua pessoa.
  Liberte-me  desta areia que me sufoca e tu serás meu salvador.
  Eu te colocarei sobre o trono e tu usarás as coroas branca e vermelha, do Alto e Baixo Egitos."

O príncipe atendeu o seu pedido e a Esfinge cumpriu sua promessa :
o príncipe mandou descobrir o monumento e subiu ao trono com o nome de THOTMÉS  IV, tornando-se um dos maiores reis de toda a história egípcia. 
 
Ele mandou gravar uma estela com o sonho e a colocou entre as suas patas.
 
 
 





 
14 -
Em 1938 uma expedição arqueológica dirigida pelo arqueólogo WALTER BRIAN EMERY e seu colaborador  ZAKI EFFONDI  SA'AD, trouxe a lume a tumba de uma grande personagem da II dinastia, cuja mesa de oferendas estava posta e uma refeição inteira servida em travessas e pratos de terracota. 
 
O cardápio de 2.000 aC. compreendia:
pombos assados,
codornizes e rolinhas com molho,
alguns legumes,
peixes,
uma costela de bezerro,
bolos redondos e
pequenos pães triangulares 
(que lembram esfihas).






15 -
A cerveja era a bebida preferida pelos egípcios e havia numerosas fábricas onde a produziam, já em 2300 aC.. 

Foram encontrados no túmulo do vizir HEMAKA, 2.000 cântaros para saciar a sua sede no outro mundo.


Os vinhos recebiam rótulos
com a data,
o vinhedo
e a propriedade, tal como se lê neste selo :

" Ano 9, excelente vinho branco do sítio do rei TUTANKHAMEN, da margem ocidental. "





16 -
Um papiro do  Museu Egípcio de Turim nos dá informações talvez sobre a primeira greve de que se tem notícia na História. 

Essa greve de trabalhadores aconteceu em 1.170 aC..  -  seus salários, com 2 meses de atraso, finalmente foram pagos pelo alcaide de Tebas.





17 -
Para vencer na vida, este era o conselho que um professor dava aos seus alunos : 

"Sê escriba !  A vida do escrevente do governo é preferível a qualquer outra.  Tu te cobrirás com uma túnica branca e dirigirás o trabalho dos outros. Lembra-te dos teus antepassados cujas tumbas estão abandonadas.  Mas ainda se pronunciam seus nomes por causa dos livros (= papiros)que fizeram.  Suas memórias perdurarão até os limites da eternidade.  Sê escriba e teu nome poderá ter sorte idêntica."





 
18 -
O rei  DIDKARA ARSA, da V dinastia, tinha por vizir um homem sábio e filósofo.  Chamava-se  PTAH-HETEP.
 
Estes conselhos ou  máximas do Papiro PRISSE  foram por ele escritos no ano 2.300 aC. :
 
"Abre tua boca quando tiveres coisas bonitas a dizer - do contrário, guarda silêncio"  /
 
"Nunca despreza os que sabem menos que tu porque em muitas ocasiões os ignorantes podem ensinar os sábios"  / 
 
"A sabedoria e a arte não têm limites que possam ser alcançados e ninguém possui a perfeição"  /
 
"Todo aquele que é capaz de ouvir, é capaz de contar"  /
 
"Se tiveres que ditar a conduta aos outros, faz com que a tua própria conduta seja irrepreensível".
 





19 -

 
Ao observar as pinturas egípcias você logo verifica a ausência de perspectiva e a lei da frontalidade

Eles desenhavam o rosto de perfil para mostrar a ossatura, o volume da cabeça e ressaltar as linhas da testa, nariz, boca e queixo. 

Os olhos e as orelhas são vistos de frente, para melhor visualização e contemplação recíproca. 
 
Eles se representavam a si mesmos e a seus vizinhos com absoluta fidelidade dos tipos humanos, com uma esquematização muito segura dos seus traços distintivos. 




20 -
"Todo o valor do homem antigo está nele ser um artesão.
As máquinas de um agricultor eram o fruto de seu próprio esforço e tempo.
Achar-se-ia dificilmente um escultor capaz de por em valor todas as qualidades latentes, todas as virtualidades de uma pedra, como sabia fazê-lo o egípcio.
E os ceramistas modernos ainda não puseram-se em acordo sobre a composição da pasta das pequenas faianças egípcias"  -  KURT LANGE.





21 -
Ao tempo dos faraós costumava-se gravar nas rochas o relato das expedições que saíam em busca de pedras para as estátuas.

Contavam suas experiências, necessidades e dificuldades.

A Arqueologia tem descoberto, além disso, a aldeia dos operários que trabalhavam nas pedreiras  -  essas pedreiras resistiram ao poder destruidor do tempo e hoje ainda podemos estudar os processos de extração de blocos e os instrumentos utilizados de acordo com a natureza da rocha, fosse calcário, xisto ou granito.










22 -
A arte foi tão precisa que deixou transparecer, até mesmo, alguns traços de suas enfermidades
 
a obesidade do xeque EL BELED,
a poliomielite do rei SIPTAH
o nanismo de SENEB e
a espandiomielite da rainha do Punt.
















 

 
 
 
23 -
Foi também o Egito que nos deixou a mais velha fórmula do célebre conto  Cinderela :
 
"Era uma vez um falcão que roubou a sandália de uma linda jovem que se banhava no lago. 
Ele a prendeu com seu bico e a deixou cair bem perto do faraó, que concedia audiência em seu jardim. 
Com aquela tão pequenina e delicada sandália ele pôde conhecer a jovem, enamorou-se dela... e a desposou."





 
24 -
Agora vou lhe contar a história de um leão que possuía muita força e caçava bem.
Os animais das montanhas o temiam. 
Certo dia encontrou-se com uma pantera, cujo couro estava esfolado e a pele rasgada. 
Perguntou-lhe o leão : 
"Como chegaste a esse estado ?  Quem te esfolou ?"  
Respondeu-lhe a pantera : 
"Foi o homem." 
"O homem ? - que é isso ?", retrucou o leão. 
"Não há nada mais astuto do que ele, o homem !"  - disse a pantera. 
Então o leão sentiu rancor do homem e foi procurá-lo.






25 -
Dependia do faraó :

a vida dos súditos,
a paz e a guerra,
a nomeação de funcionários, vice-reis, governadores,
eleger o sumo-sacerdote de AMEN,
agraciar funcionários, súditos e heróis com recompensas e condecorações,
perdoar os desertores,
receber delegados e delegações estrangeiras,
presentear e fazer alianças.

DIODORO DA SICÍLIA  se orgulha de haver examinado cuidadosamente os  "Anais"  dos sacerdotes, onde verificou a regulamentação da vida pública e privada do rei :

hora para os atos administrativos,
para passar o dia,
para as audiências,
passeios,
banhos e
para dormir.

Até os alimentos que ingeria estavam prescritos.









26 -
Entre os 2.200 e 2.065 aC., houve um período de caos e desordem no Egito :  saques a túmulos e pirâmides, queda do poder central e domínio da nobreza... uma espécie de feudalismo. 
 
Mas os tempos mudaram e o príncipe MERIKARÁ, filho do rei  KHÉTI II   (da X dinastia), pôde estabelecer uma nova ética no  Papiro de Leningrado :
 
"Deus criou os chefes para que sejam protetores dos fracos".
 






27 -
Na falta de elementos e de documentos comprobatórios, podemos supor que a cerimônia de casamento era realizada da seguinte maneira : 

os noivos, acompanhados dos parentes, entravam no templo do deus da cidade, ofereciam um sacrifício e recebiam uma benção sacerdotal.

Apreciadores de festas e música, certamente ofereciam um festejo, de acordo com as posses da família.








28 -
As meninas egípcias mostravam-se núbeis aos 10 anos de idade ; os rapazes atingiam a puberdade aos 12 e a virilidade oficial aos 16 anos.

O sexualismo pré-marital era fácil e livre ; falava-se dos negócios sexuais com muita franqueza.
 
Há desenhos em 'ostrakas' que mostram, normalmente, cenas de sexualidade com crianças ao lado.

O Museu Egípcio de Turim  conserva papiros com cenas de sexo explícito.
 

Estatueta sensual de Akhenáten :  o beijo.
Museu do Cairo










29 -
Você sabia que os egipcianos adoravam possuir muitos títulos

Em diferentes túmulos das dinastias XV e XVI, KLAUS BAER enumerou mais de 1.800 deles. 

SENMUT, o favorito da rainha HATSCHEPSUT colecionou todos estes :

" Príncipe e Conde Hereditário",
" Porta-Selos do Rei do Baixo Egito",
" Companheiro Único",
" Grão Mordomo de AMEN",
" Superintendente dos Campos, dos Jardins, das Vacas, dos Servos, dos Lavradores e dos Servidores de AMEN",
" Profeta de AMEN",
" Porta-vóz do Santuário de GEB",
" Chefe da Casa da Coroa Branca",
" Interventor da Grande Sala da Casa dos Funcionários",
" Grão Mordomo do Rei",
" Superintendente da Residência Real",
" Inspetor dos Ofícios Divinos",
" Tutor Pai da Princesa NEFRURÊ",
" Interventor de Todas as Obras do Rei em Karnak, Hermonthis, Deir-el-Bahari, Templos de Mentou, Karnak e Luxor",
" Superintendente dos Superintendentes das Obras".







30 -
O estudo do corpo humano foi bem familiar aos egiptanos, pois a mumificação dos cadáveres entrou em uso desde a II dinastia.

A medicina deve ter sido a mais antiga profissão.

Havia médicos para todos os órgãos :

uns para a vista,
outros para os males da cabeça,
estes para os dentes,
aqueles para os males do ventre
e outros, enfim, para os males internos.





30 -
Acreditavam que as pessoas ficavam doentes porque um demônio tinha entrado nelas, para levá-las à morte. 

Para curar um resfriado, por exemplo, usavam recitar fórmulas mágicas, como esta :

" Vai, afasta-te !  Vai-te embora, resfriado, que tornas doentes os 7 buracos da cabeça !  Vê  -  trago teu remédio :  grãos de incenso e leite de uma mulher que acaba de dar à luz um menino.  Ó tu, resfriado :  perece no espirro do teu nariz !   Sai e cai por terra, fedor, fedor, fedor, fedor ! "





31 -
No antigo Egito já havia dentistas e protéticos, chamados  "sunu-ibh"  e  "yri-ibh", na língua egípcia..
Encontrou-se na necrópole de Gizé, na boca de uma múmia, dois dentes postiços ligados por um fio de ouro.




32 -
 
Os  papiros médicosdescobertos nas tumbas, também fazem referências
às parteiras,
aos preceitos de higiene,
cirurgia óssea,
patologia interna
e até mesmo aos cosméticos para embelezar a pele, os cabelos e as mãos.
 




33 -
A receita nº 31 do Papiro de Berlim traz este diagnóstico contra a tosse :
 
"... creme e cominho mergulhado no mel. Fazer o doente tomar por 4 dias".

Para eliminar rugas e manchas, as damas egípcias usavam uma loção preparada com  "leite de burra, alabastro, natrão, mel e alume em pó."




 
34 -  
O Papiro Kahum até prescreve supositórios aparentemente anticoncepcionais.




35 -
Algumas drogas também eram eficazes no combate a pulgas, moscas e ratos.





36 -
Para combater a calvície, que causava muita preocupação entre os egípcios, apareceu na V dinastia uma pomada  feita com  "caroço de tâmara, patas de cão e mocotó de burro, cozidos em azeite."
 




37 -
Os antigos egípcios eram muito asseados
cuidavam do corpo, das suas roupas e casas.

"Trajavam roupas de linho, sempre bem lavadas, cuidado rigorosamente observado"  ( HERÓDOTO ).

Lavavam-se várias vezes ao dia :
ao levantar-se,
antes das principais refeições
e de deitar-se.

Faziam bochechos com água  "bed".

Usavam uma pasta solidificada, desengordurante e capaz de levantar espuma, chamada  "suâbu".





38 -
O baú de cosméticos de TÚTU, esposa de ANI, conservado no Museu Britânico, é uma prova típica da vaidade das damas egípcias. 
 
Em seus 4 compartimentos estão
potes e frascos com ungüentos,
paleta para amassar e misturar cosméticos,
almofada para descansar os braços,
pinça de prata para remover as sombrancelhas e
um riquíssimo par de sandálias de couro de antílope.
 




39 -
O ouro era muito abundante no Deserto Arábico. 

Por ser mais escassa, a prata tinha um valor mais alto que o ouro.

O Papiro Harris fala sobre uma mina de ouro ; 
o Museu de Turim tem o mapa de uma mina, do tempo dos faraós.






40 -
O sumo-sacerdote de AMENROMÉ-ROY, merece ser citado como um bom patrão egípcio.

Numa inscrição ele diz :

"Ó sacerdotes, escribas da Casa de Amen, excelentes servidores das oferendas divinas, padeiros, cervejeiros, confeiteiros, vós todos que entrastes neste  'atelier'  da  Casa de Amen !
Pronunciem meu nome todos os dias, glorificando-me por causa de minhas ações, pois sou um homem bom.
Encontrei este  atelier em ruínas :  paredes caídas, madeirame podre, pintura suja.
Eu o restabeleci e o ampliei.
Fiz dele um atelier confortável para os padeiros e cervejeiros e para todos os demais que servem a meu deus."




41 -
 Os artistas egípcios lembram os obscuros artistas das catedrais medievais  :
eram anônimos 
-  trabalhavam para o rei, para a religião e para o povo.

Não lhes era permitido assinar suas obras para não se tornarem imortais.

Tinham a  THOT  por deus protetor.





 
42 -  
Os egípcios acreditavam na imortalidade da alma e na ressurreição do corpo  -  e simbolizavam isso de um modo material :
eles embalsamavam o corpo e enchiam o túmulo com utensílios necessários na outra vida, ou com imagens representado essas coisas. 
 




43 -
São encontrados no Egito dois tipos de múmias
as naturais  (que se conservaram intactas, devido ao solo seco, ao clima quente e a ausência de germes)  e  as  artificiais  (que passaram pelo tratamento especial da mumificação). 




 "Até hoje não foi possível descobrir uma autêntica receita, genuína e completa, de mumificação" 
- dizem alguns estudiosos. 





44 -  
HERÓDOTO, viajante grego que esteve no Egito em 450 aC., transcreveu algumas receitas que ouviu de sacerdotes, na sua  obra chamada  "História".
 
A arte da mumificação permanece um mistério.






 

 
 







45 -
O arqueólogo e egiptólogo  GASTON  MASPERO  examinou uma curiosa múmia de um príncipe desconhecido.

Tratava-se de um homem entre 25/30 anos, bem constituído, sem lesões ; 
em seu relatório escreveu :

"Nenhuma expressão jamais mostrou com maior fidelidade o quadro mais angustiante e de mais espantosa agonia.
As feições horrivelmente convulsionadas indicam comprovadamente que o desgraçado sucumbiu por asfixia, causada por haver sido enterrado vivo".







 

46 -
A música era muito apreciada.

A maioria dos instrumentos foram encontrados nas mástabas, na necrópole tebana e nos relevos das tumbas aparecem, muitas vezes, desenhados :
 
harpas,
alaúdes,
cítara,
oboé,
flautas,
trombetas de bronze e cobre,
tambores,
tamborins,
badalos,
sistros
e uma sineta chamada  "nemat".
 





47 -
 Um curioso "quadro negro" no Museu Britânico, contém anotações feitas pelo capataz de 43 operários, marcando as ausências ao serviço e as causas :
 
"doente",
"sacrificando ao deus" ,
"preguiça"
...





48 -  
Um papiro conservado no Museu Britânico, conserva alguns pensamentos de  AMENEMOPÉT,  "Escriba Real dos Trigos"  do faraó.  Esta frase é uma das mais significativas :

" O homem é feito de palha e argila e Deus é o seu modelador.  Todos os dias Deus constrói e destrói. "




 
49 -
No Antigo Império os egípcios criaram uma linha de navegação entre o Punt, na Somália, e  Biblos, na Fenícia.

O barco que saía de Biblos navegava pelo Mar Mediterrâneo, atravessava o braço tanítico do Nilo e chegava a Bubaste ; depois, atravessava o canal  Wadi Tumilat, os Lagos Amargos, entrava no Mar Vermelho e atracava no cais do Punt  (escala do incenso).

Para voltar, seguiam o mesmo caminho vice-versa.






 

50 -
Houve um faraó que abandonou Tebas para fundar uma nova capital. 

Ele abandonou o culto de AMEN-RÁ e seus sacerdotes, para ali adorar um novo um novo deus.

Um deus que residia no disco físico do sol:  ÁTEN

Ele abandonou seu nome de  AMENHETEP IV ( Amenófis, em grego ) , para denominar-se  AKHENÁTEN  = o que serve o sol !
 
As descobertas arqueológicas trouxeram a lume os poemas realistas e solenes desse faraó poeta e místico :

" Brilhante é a terra quando te ergues no horizonte, ó ATEN vivificante, que exististe em primeiro lugar !
Quando te ergues no lado leste do horizonte, enches toda a terra com tua beleza.
Teus raios abraçam os países e tudo o que criaste.
As hastes começam a brotaras o solo.
Tu és RÁ e a todos seduziste.
Foste tu que criaste a criança na mulher ; que deste ao homem a geração ; que o acariciaste para que não chorasse :  uma ama, seio materno !
Fizeste as estações do ano para criar tuas obras ;  o inverno para refrescá-las ; da mesma forma o calor do verão.
Fizeste o horizonte longínquo para nele te ergueres, para veres tudo aquilo que criaste..
Tu és brilhante, claro e forte.
Teu amor é grande e poderoso. "







 
51 -
Sua graciosa esposa chamava-se  
 
 NEFERTITE 
 ( Nefernefruáten Nofretet ). 
 
O Museu de Berlim possui o mais belo retrato escultural de suas delicadas feições.

 
Quem não conhece esse nome nada sabe sobre as grandes rainhas do Antigo Egito.

NOFRETETI significa "a bela que chegou".

Sua origem até há pouco tempo era obscura.

As mais recentes pesquisas indicam ser filha primogênita de  AÝ  e sua mulher  TII, "a grande ama real,  bom deus"  -  como um texto a proclama.

A História cometeu um erro sobre NEFERTITE, afirma o arqueólogo RAY  SMITH.

Ele fotografou, pesquisou, desenhou e reconstituiu 25.000 esculturas e baixos-relevos fragmentados, com o auxílio de um computador eletrônico.

Tudo revela que a personalidade de NOFRETET era dominante ;
suas esculturas se repetem continuamente e em maior número que as de seu marido, o faraó AKHENÁTEN.



 
52 -
O irmão e sucessor de AKHENÁTEN devia denominar-se  TUTANKHÁTEN

Mas ele mudou seu nome para TUTANKHAMEN, homenageando o antigo deus  AMEN  e restabelecendo o seu culto em Tebas.

Subiu  ao trono com 9 anos e sua esposa, a rainha  ANKHSENAMEN, com 12. 

Nessas idades governaram melhor que muitos faraós.
 
Quando os sacerdotes anunciavam a aparição dos soberanos, toda a corte ajoelhava-se e beijava o chão :

" O grande filho de AMEN, nascido do touro-forte de sua mãe, assim como NUT, senhora do firmamento  -  criado com o leite divino, o Senhor dos Tronos do mundo, o Bom-Deus  NEBKHEPERURÁ,  Doador da Vida, semelhante a RÁ para todo o sempre !"
 
"  A grande esposa real, que amamenta e nutre o Rei TUTANKHAMEN com o mel silvestre do paraíso, a Senhora sobre o Alto e Baixo Egitos,  ANKHSENAMEN -  saúde, vida, prosperidade, cheia de beleza e formosura, por nós amada !"




 
 
 53 -

Em  1922 o arqueólogo inglês HOWARD CARTER descobriu no Vale Real de Tebas a fabulosa tumba semi-intacta do faraó TUTANKHAMEN,  repleta de riquezas incalculáveis hoje conservadas no Museu de Antiguidades do Cairo.
 
Seu túmulo inacabado é o poema lírico da morte, é a saudade da vida, o apego à riqueza terrena, a dor da renúncia.
 
Seus carros de guerra e caça, de ouro cintilante, seu trono de ouro, prata e pedrarias, seus numerosos colares, broches, pulseiras, leques, punhais e seus três ataúdes de ouro, refletem a gratidão voraz dos sacerdotes de  AMEN-RÁ :  um deus repleto de magia, adorado em templos escuros, que exigia pesados tributos.
 
Seus leitos funerários mostram, esculpidos em ébano, ouro e marfim, amuletos benéficos que afastavam espíritos malignos.
 
TUTANKHAMEN  levou para o sepulcro todos os vestígios da sua existência e o esplendor da sua riqueza.
 
No dia do enterro, o grão sacerdote rezou na porta do túmulo o adeus :

" Pronunciar seu nome é fazê-lo viver novamente.
  Eu te ordeno : desperta !
  Tu triunfas !
  Vem para o teu KÁ, completamente tranquilo ! "





54 -
 
Uma das frases inscritas nestas cintas de ouro que envolviam sua múmia, implora a intercessão da deusa dos céus :

" Ó grande Deusa Celeste NUT !
   Abre tuas asas protetoras sobre mim, pelo tempo em que brilharem as estrelas imperecíveis. "
 







55 -
Os embalsamadores usaram excesso de ungüentos para
conservar o seu corpo. 

As massas gordurosas engrossaram e o carbonizaram até certo grau. 

Sua pele tem a cor de queimada, é quebradiça e cheia de rachaduras.





56 -  
TUTANKHAMEN morreu com 18 anos e inúmeras pessoas que entraram em sua sepultura pereceram misteriosamente.

"A morte tocará com suas asas, todo aquele que perturbar, em sua eternidade, o sono do faraó que repousa neste lugar."

"Sou eu quem afugento, com as chamas do deserto, os ladrões de sepulturas e os seres malignos. Sou o guardião do pórtico do outro mundo. Aqui estou para te proteger, ó Osíris-Rei TUTANKHAMEN."




 
 
 

 
 
 
57 -
Frases fatídicas , deste tipo, estavam escritas no seu túmulo , como no rodapé da terceira porta selada e no andor de ANÚBIS, deus dos embalsamamentos.

Dezenas de pessoas que lá entraram ou removeram o tesouro, morreram inexplicavelmente e a maldição do faraó ainda não foi totalmente esclarecida pela ciência.

Os túmulos egípcios conteriam uma energia desconhecida ?
Conteriam materiais radiativos, bactérias ou venenos poderosíssimos ?
Haveriam gênios guardando as tumbas ?


Segundo pesquisas do médico irlandês GEOFFREY DEAM, a maldição é uma doença chamada  "hitoplasmosis"  -  ela provém dos fungos que crescem no esterco ressecado de morcegos.




 
Jarbas Vilela na entrada do corredor da tumba de Tutankhamen -  02 fev 2000






58 -
Você já ouviu falar de um jovem faraó que se chamava  AMENHETEP II ( Amenófis, em grego) 

Jamais se viu um belo atleta tão forte, tão harmonioso.

Eis os próprios egípcios narrando suas façanhas, gravadas em pedra no Templo de Karnak :

" Então Sua Majestade, vigoroso como MENTU, o deus da guerra, subiu em sua biga de ouro.  Pegou o seu arco de combate e colocou nele 4 flechas ao mesmo tempo.  Depois, correu em seu carro até o norte e as disparou. Elas transpassaram o alvo de cobre asiático e caíram do outro lado.  Nunca se viu proeza semelhante e jamais se ouviu falar nisso.  Longa vida a Faraó !"




59 -
A Astronomia foi impulsionada pela necessidade de prever a subida anual do Nilo.

Certos instrumentos rudimentares, de tamareira, foram inventados no período das quatro primeiras dinastias, para observação das estrelas.

Segundo  DIÓGENES LAÉRCIO  ( historiador grego aC ), conservaram em seus anais os resultados de 373 eclipses do Sol e de 832 eclipses da Lua, observados antes de ALEXANDRE.

MACRÓBIO, VITÚRVIO, MARCIANO CAPELLA  ( escritores latinos ) falam que os astrônomos egípcios verificaram o movimento de Vênus e Mercúrio à roda do Sol.

A Astronomia registra o chamado  "Sistema Egípcio", em que consideravam
Vênus e Mercúrio à roda do Sol  - 
Marte, Júpiter, Saturno e a Lua à roda da Terra.





60 - 

 Segundo a opinião de vários pesquisadores os egípcios teciam os panos mais finos que a história da indústria têxtil refere.

Amostras de linho fabricado há 4.000 anos revelam hoje, apesar dos estragos do tempo, "uma urdidura tão fina que só por meio de lentes as distinguimos da seda ; o melhor produto dos tecidos mecânicos modernos é grosseiro perto do que faziam os teares manuais egípcios".






61 -





De todos os faraós, RAMSÉS II  parece ter sido o mais imperioso  e sobrenatural.

Viveu 60 anos, conduziu 20 guerras. 

Suas 200 concubinas lhe deram 98 filhos e 69 filhas

Todos os templos que ergueu comemoram suas vitórias e contam sua vida.


J.Vilela dirigindo-se ao Templo de Ramsés II em Abu-Simbel  - 2000


Sua esposa favorita, uma princesa hitita, filha do rei  KHATTUSIL,  chamou-se  NEFERTARI :




"... a meiga, bem-amada, coroada, de belo rosto, maravilhosamente enfeitada com plumas. 
Aquela cujas palavras são ouvidas com um estremecimento de alegria" 
como diz um texto em sua homenagem.

Ela foi dada de 'presente' a  RAMSÉS II, após a assinatura do  3º Tratado Egípcio-Hitita, selando a paz entre os dois reinos beligerantes.

O faraó apaixonou-se perdidamente por ela e até lhe edificou um grandioso templo em Abu-Simbel para homenagear sua beleza.



Seu túmulo é o mais belo, no Vale das Rainhas, em Tebas.





62 -
RAMSÉS II 
"quando se defrontava com nações corajosas e ciosas de sua independência, fazia gravar uma inscrição com seu nome, o de sua pátria e a notícia de haver vencido aquele povo pela força das armas.
No país facilmente dominado, erguia inscrições semelhantes, mas gravava sob esta as partes sexuais da mulher como emblema de covardia daquele povo."
HERÓDOTO - "História", II-52)





63 -
Dessa época datam as mais lindas canções de amor.

Têm por cenário o ar livre, os lagos, a paisagem, as plantas :

" Como é gostoso, ó meu amado, ir banhar-me no lago, para que vejas toda a minha beleza quando o fino linho da minha roupa se ajusta às curvas do meu corpo molhado.  Estou na água... e regresso para junto de ti com um belo peixinho escondido nas mãos.  Ó meu amado, vem e olha-me ! "




" Negra é a tua cabeleira, mais negra do que o escuro da noite, mais negra do que  a baga do abrunheiro silvestre. Vermelhos são teus lábios, mais vermelhos do que tâmaras maduras, mais vermelhos que o sol nascente ! "







64 -
Segundo o Papiro Chester-Beatty  a alface era planta consagrada ao deus  MIN, da fertilidade.

Os egípcios observaram que a alface deixava os homens enamorados e fazia fecundas as mulheres.

Comiam alface crua, com sal e azeite.





65 -
Você sabia que o nosso imperador  D. PEDRO I,  aconselhado por JOSÉ BONIFÁCIO comprou centenas de peças egípcias autênticas

Esse acervo, trazido da França pelo mercador italiano NICOLAU FIENGO, destinava-se ao ditador argentino D. JUAN MANUEL DE ROSAS, que o encomendára. 

Ao chegar a Buenos Aires, Rosas havia sido deposto e o governo sucessor não quis  sustentar os compromissos da compra. 


Fiengo o trouxe para o Rio de Janeiro e D. PEDRO , aconselhado por JOSÉ BONIFÁCIO, o  arrematou por 5 contos de réis, pagos em 6, 12 e 18 meses.

Pequena parte desse material está exposto nas salas  HUMBOLDT  e  CHAMPOLLION, no  Museu Nacional da Quinta da Boa Vista  -  Rio de Janeiro.





66 -
D. PEDRO II   foi um devotado amigo das antiguidades egípcias e fez duas viagens àquele país.

A primeira, em 1871, visitou as pirâmides, posou para  fotografias e condecorou dois egiptólogos com a  "Ordem da Rosa"
HENRI BRUGSCH  (então diretor da biblioteca do Instituto de Alexandria)  e 
AUGUST MARIETTE  (diretor do Museu de Bulac).

Na segunda, em 1876, subiu o Nilo até Assuan visitando demoradamente os templos de Luxor, Karnak e Filas


Antes de regressar ao Brasil, o governador do Egito, o quediva ISMAIL, deu-lhe de presente o ataúde da cantora SHAMAMENSUT, contendo a sua múmia. 


Essa relíquia pode ser admirada no Museu Nacional do Rio de Janeiro.





67 -
A crença na imortalidade da alma
é a grande doutrina religiosa que os egípcios nos deixaram. 

Os textos hieroglíficos revelam que acreditavam em
um deus infinito e eterno,
na providência divina,
no perdão dos pecados,
nas recompensas e punições depois da morte.

A própria concepção da trindade divina também a herdamos do Egito antigo.

Essa concepção está nesta litania do ano 2.200 aC..

Leia, com toda atenção, estas frases do Papiro Leyden, do Novo Império

"Todos os deuses são três : 
 AMEN, RÁ  e  PTAH 
 -  e não há um segundo deus. 
'Oculto' é o nome de AMEN ;
seu rosto é RÁ e seu corpo é PTAH. 
Só  AMEN é como  RÁ e como PTAH,
 os três juntos. "






68 -
Os egípcios foram os primeiros arquitetos da humanidade.

Tinham estatura mediana,
pele bronzeada,
olhos negros e amendoados. 

Criaram o seu próprio padrão de vida  (considerado bem superior ao lado de outros povos) e constituíram uma das civilizações menos neuróticas do mundo. 

Eram alegres, otimistas, realistas e acreditavam na eternidade da vida terrena.




69 -
Nos ensinamentos do rei AKTOES III para o príncipe  MERIKARÁ  (2.100 aC.) temos a primeira tentativa humana visando substituir a violência pela inteligência, na história política do mundo :

" A linguagem é uma espada para o homem. E as palavras têm força superior a qualquer espécie de combate."




70 -

LIVRO DOS MORTOS  é o documento mais autêntico e seguro para conhecermos de modo determinante as doutrinas dos antigos egípcios, com respeito à filosofia, à moral, aos conhecimentos psíquicos, à constituição do ser humano, sua desintegração no instante da morte e os renascimentos que constituem a consequência do Juízo.

Contém ainda um ritual mágico relativo ao culto do morto e sua preservação onde há de permanecer. 

Este hino ao deus-sol, foi extraído de um capítulo do Livro dos Mortos :

"Levanta-te ó RÁ, em tua maravilhosa ascensão !
 Tu és o Rei dos Deuses e o que tudo contém;
 De ti viemos e em ti nos divinizamos.
 Ventos divinos caminham em música através de tuas cordas de ouro.
 Ó tu, Perfeito, ó tu Eterno, ó tu que és Único !
 Grande falcão que voa com o sol !
 A poesia do tempo rodopia a teus pés.
 Autor do tempo, tu próprio além de todo o tempo.
 Tu és o Hoje, o Ontem e o Amanhã.
 Louvor a ti, ó RÁ, que tiras do sono a vida !
 Milhões de anos já se passaram  - não podemos contar seu número ;  milhões de anos ainda virão.
 Mas tu estás além dos anos ! "






71 -
"Mais de dois mil anos antes dos gregos, a arte egípcia exaltou o homem, seu trabalho, sofrimentos e alegrias.
Mostra com quanta apaixonada observação eles souberam ver e compreender o homem e tudo o que vive em torno dele". 
 JEAN VERCOUTTER





72 -
"Os egípcios purgam-se todos os meses durante 3 dias consecutivos e procuram conservar a saúde por meio de vomitórios e clisteres, persuadidos de que todas as doenças provêm dos alimentos (....) 
São as oscilações da atmosfera e, sobretudo, das estações, que ocasionam as doenças..."
( HERÓDOTO, "História", II-77 )







73 -
O rei SENUSERT III, da XII dinastia, mostra-se como o primeiro racista da História, através deste registro em Semneh - o mais avançado posto egípcio ao sul :

"A nenhum negro é permitido avançar esta fronteira em direção do norte, à pé ou embarcado, exceto quando vier comerciar. Então, seja ele bem tratado."




74 -
Os sonhos preocupavam bastante os egípcios.

Quando o sonho não parecia claro, o faraó convocava intérpretes.

A Bíblia fala que JOSÉ fez sua fortuna interpretando o sonho das vacas gordas e magras.

Os intérpretes geralmente procediam por analogia : um sonho bom anunciava um proveito  -  um sonho mal, uma catástrofe.

No Museu do Cairo há um papiro registrando algumas  "chaves" para a interpretação dos sonhos sexuais femininos.

Por exemplo, se a mulher sonhar que dá à luz a gatinhos, terá muitos filhos ;  um cachorro, terá um filho homem ; um burro, terá um filho retardado.  






75 -
Na lenda do Papiro Westicar, de Berlim, há um curioso episódio que muito lembra a passagem bíblica do Mar Vermelho.

A nós não parecerá estranho que  MOISÉS conhecesse esta história, porque já era contada há uns 1.200 anos antes dele :

"DJADJA EMANQUE, o mágico, murmurou um encantamento sobre as águas do lago, graças ao qual conseguiu levantar metade da água e dobrá-la sobre o alto da outra metade. 
O fundo do lago ficou assim revelado. 
DJADJA EMANQUE desceu, recuperou o broche perdido pela princesa, murmurou outro encantamento e a água se desdobrou à posição anterior."

Não foi isto o que ele descreveu sobre a abertura do Mar Vermelho ?






76 -
Os egípcios não tinham apelidos : recebiam um nome ao nascer.

A filha de faraó  - princesa THERMUTIS -  segundo a Bíblia, ao encontrar um menino hebreu numa cestinha de vime, encalhado nos juncos, chama-o de  MOSHÉ  ( = MOISÉS ).

Segundo os etimólogos,  "Moisés"  não significa  "salvo das águas" 
-  é apenas transcrição bíblica do termo egípcio  "Mose", elemento final de  THOTMOSE, AHMOSE  e outros.

Para alguns egiptólogos  "Moisés" deriva de  "mesu"  ( = menino ) 
-  este nome era vulgar no Egito.

Uma estela da XIX Dinastia traz o nome :  AMEN-MESU.

Mas, pela interpretação tradicional, "Moisés" vem de  "mushes" =  "tirado das águas".





77 -
Um papiro do Museu do Cairo fornece algumas indicações sobre a compra de escravos :

"Um mercador chamado RAIA, propõe a seu cliente a compra de uma escrava síria.  Colocam-se de acordo. 
Paga-se o preço em gêneros e artigos.  Prestam juramento ante um escriba, que registra o fato no tribunal. 
A escrava passa a ser propriedade do comprador e recebe um nome egípcio."






78 -
Os escravos aumentaram durante o Novo Império, com o grande número de prisioneiros de guerra.

Exemplo deles foram os  hebreus, que se fixaram no delta do Nilo,  nos tempos do  Período Hikso, obtendo desses reis estrangeiros elevados cargos na corte.



Com o revés da moeda, os hiksos foram expulsos, após 185 anos de lutas contra a resistência egípcia  -  e os hebreus foram vexados com imposições.






79 -
As pessoas de pouco dinheiro iam ao barbeiro, instalado sob as árvores, ao ar livre.

Para as pessoas afortunadas ele ia bater-lhe às portas, oferecendo seus préstimos.




80 -
Os gregos reconheciam haverem aprendido muito dos egípcios, pois estes contribuíram na formação de sua própria vida.

Foi um egípcio chamado CÉCROPS que fundou Atenas.

Na sua arquitetura, os gregos aplicaram certos refinamentos destinados à corrigir ou compensar erros ou deformações visuais. 

Segundo várias conclusões de especialistas, os egípcios adotaram, no templo de Medinet Habu inteligentes e sensíveis correções visuais, muito antes dessas correções gregas.




81 -
O egípcio andava descalço
levava o par de sandálias nas mãos  ou amarrados na ponta de uma vara 
-  só se calçava quando chegava ao destino.

O rei  UNAS  (2.400 aC) tomou medidas para impedir que os soldados roubassem sandálias das mãos dos transeuntes dos caminhos  ( das mãos, não dos pés ).



82 -
A etiqueta dizia que as pessoas deveriam banhar-se antes das refeições.

As pinturas quase não representam pratos, copos, pratinhos, travessas e taças.

Podemos supor que em determinado momento distribuíam aos comensais os pratos, as facas, colheres e garfos, pois esses objetos, embora pouco frequentes, existem nos museus.

O Louvre, por exemplo, possui admirável série de colheres, trabalhadas com muita elegância.






83 -
Havia no Egito uma espécie de "jogo de damas".

Na tumba de TUTANKHAMEN  descobriram 2 jogos  "senet"  : 
são caixinhas de madeira, em forma de tabuleiro retangular  (com 30 ou 33 casas ) ;
os peões de jogo eram chamados  "iba".

Havia 2 marcadores que funcionavam como dados 
-  não conhecemos a regra, nem como moviam as peças, mas sabemos que era a diversão favorita de adolescentes e adultos.







84 -
Refeições.
Os egípcios comiam sentados, à sós ou  'tête-à-tête".

A família não se reunia para o almoço, como fazemos. 
Há apenas um relevo mostrando a reunião familiar, numa tumba de  AKHENÁTEN  ( atual  Tel-el-Amarna ).





85 -
Sob a XXVI dinastia,  HAMEN, general fenício à serviço do faraó  NECAU II, partiu pelo Mar Vermelho, contornou a África e voltou pelo Mediterrâneo, numa viagem que durou 3 anos.

Segundo o  pesquisador brasileiro  MÁRIO  JACI , eles estiveram aqui e

#    deixaram inscrições hieroglíficas na Pedra da Gávea, avistaram da  ilha Rasa ( = em egípcio, "ver a Rá" ) a figura do gigante  (formado pelo contorno das montanhas do Rio de Janeiro),
#    chamaram Ipanema  ( = em egípcio, "lugar onde dorme o pai" ) à praia onde o gigante repousa suas costas
#    e esculpiram no Pão de Açúcar o hieróglifo de uma ave alçando voo. ( a silhueta do Pão de Açúcar representa os pés do gigante (= Rá).

Isso é mística ? 
São elucubrações ? 
Fantasias ?
Talvez...
Há inscrições na Gávea !





86 -
O mural, inventado no Egito, ultrapassou as fronteiras do seu país e do tempo e se fixou como um monumento de arte imortal.




87 -
Quando o rei etíope  PIANKHI  enviou seu exército para o Norte, a fim de conquistar o Egito, baixou instrução a seus oficiais recomendando-lhes seguir a  "regra do jogo" das batalhas :

não atacar à noite,
anunciar a hora do combate,
esperar pelo reforço do adversário e
aguardar o sinal do inimigo para o inicio da luta.





88 -
O  Direito egípcio era rigoroso e  severo :

aplicava-se  100 bastonadas
aos que não cumpriam seus deveres para com o Estado e aos que abusavam das leis sociais e morais.

Recebia 1.000 bastonadas
os que cometiam adultério.

Ablação do nariz e orelhas
às mulheres em delito, aos juízes que proferissem má sentença e aos culpados de perjúrio.

Mutilação dos membros
aos que matassem pessoas de sua família e aos que violentassem mulheres livres.

Cortavam as mãos
aos ladrões e falsificadores.

Aquele que proferisse uma falsa acusação receberia o castigo que teria sido aplicado ao acusado, se a queixa tivesse sido fundada.

Não chegaram até nós sentenças de condenações dos tribunais ;
sabemos apenas que muitos acusados acabaram suas vidas nas minas e pedreiras.







89 -
Canção do Harpista  -  XI dinastia :

" Vive na alegria e deixa que floreçam teus desejos.
   Põe mirra sobre tua cabeça e vestes de linho sobre teu corpo.
   Adorna o pescoço e os braços da tua amada com flores de lótus e tem-na sempre contigo.
   Não ordena o cessar da música e da dança, mas afasta teus males e preocupações.
   Pensa apenas no prazer e vive dias felizes, pois logo chegará o momento da tua viagem para a terra do silêncio, de onde ninguém regressa. "







90 -
O dinheiro em moeda só foi adotado no Egito no tempo de  DARIO ;
a primeira moeda cunhada no Egito data do reinado de  NEKTANEBO II  ( XXX Dinastia - 350 aC).






91 -


De todas as grandes mulheres da História a mais famosa é  CLEÓPATRA VII,  a quarta filha  de um segundo casamento de PTOLOMEU XIII,  rei egípcio da Dinastia Lágida


Seu nome transformou-se em lenda e atravessou os séculos.

Em sua veia não corria uma só gota de sangue egípcio,
pois era grega,
da Macedônia

Muito dotada intelectualmente, conversava fluentemente em várias línguas :
egípcio,
grego,
latim,
etíope,
hebreu,
árabe,
sírio e
persa.








92 -
" Nenhum povo antigo ou moderno deu à mulher tão alta situação legal como os habitantes do vale do Nilo." 
(MAX MÜLLER).

As mulheres mantinham propriedades em seu nome e as transmitiam livremente. 

Possuíam, vendiam, compravam e tinham direitos para testificar ante os tribunais.

Mesmo no namoro a iniciativa partia da mulher. 

Os poemas e cartas de amor que chegaram até nós são, na maioria, dirigidas por uma mulher a um homem. 
Diz esta carta :

" Ó meu belo amado ! 
O meu desejo é tornar-me, como tua mulher, a dona de todas as tuas posses".

No contrato de casamento o marido passava-lhe todos os seus bens e ganhos futuros !





93 -
Entretanto, a literatura  não se apresenta muito terna para a mulher egípcia : 
mostra-a frívola e caprichosa,
incapaz de guardar um segredo,
mentirosa e vingativa.

Os narradores e moralistas ao tempo dos faraós observam-na como um germe das malícias e dos pecados.

Dentre os direitos do homem estava o de poder bater na mulher, no irmão e na irmã, com a condição de não abusar.






94 -
Os egípcios desenvolveram métodos para identificar a esterilidade
-  um deles consistia em se dar uma mistura de melão com leite de mulher que tivesse dado à luz a um filho homem, àquela que desejasse saber se era fértil : 
se a bebida lhe causasses intestinais, sua esterilidade estava definitivamente comprovada ; 
se vomitasse era fértil.




95 -
Os egípcios amavam as crianças.

Em todas as tumbas ( menfitas, amarnianas ou tebanas ), em conjuntos estatuários ou estelas, vemos representações de crianças
ajudando o pai a inspecionar suas propriedades,
atirando bumerangues,
colhendo flores,
arpoando peixes,
exercitando-se com armas,
pastoreando gado,
ajudando os artesãos,
passeando com os pais,
assistindo a entrega de condecorações, etc.
 
A família reunida : Akhenáten, Nefertite e filhas.
Estela amarniana.




96 -
Alguns templos da Baixa Época possuíam um estabelecimento anexo, chamado  "Casa da Vida"
era uma reunião de sábios, teólogos e eruditos.

Ali se conservavam as tradições religiosas.
Ali redigiam os  "Anais"  dos reis e dos templos.
Ali se registravam descobertas científicas e progressos técnicos.
Ali se inventou a  criptografia.

Temos várias estelas e textos que revelam as consultas de faraós, príncipes e escribas à  Casa da Vida.





97 -
A compreensão do presente inexiste sem o conhecimento das épocas anteriores e o conhecimento do passado é incompleto sem a noção do presente. 

Para você entender a época e o ambiente em que vive, terá que retroceder, em estudos, até a Antigüidade.

Cada ser humano é síntese e autor da História.

A realidade do amanhã será consequência das nossas ações presentes.

Os egípcios já tinham consciência desta responsabilidade e nos deixaram, no Livro dos Mortos, esta admirável lição

" O Ontem me criou.
  Eis o Hoje;
  Eu crio os Amanhãs."





98 -
No diálogo  "Das Leis", diz  PLATÃO :

" Quem contemplar os monumentos egípcios encontrará neles quadros e estátuas executados há cinco mil anos e que, no entanto, não são mais belos nem mais feios do que as obras modernas e estão todos feitos em harmonia com as regras da técnica ainda vigente."






99 -
Depois do ano 1.000 aC., quando as culturas mais jovens estavam em crescimento, o Egito já fazia de seu glorioso passado um mistério.

O Egito  'trocou de dono' muitas vezes e, como nos tempos imemoriais, o Nilo sempre foi o cenário da vida nacional e política.

Num cansaço de 6.000 anos, banha mansamente as construções de concreto de suas barragens e os lugares consagrados das dinastias dos  THOTMÉS, RAMSÉS, PTOLOMEUS  e  califas.



100 -
Nos copos do Hotel Semíramis, no Cairo, estão gravadas esta inscrição latina : 

 "QUI AQUAM NILI BIBIT AERUM BIBET" 
  quem bebe a água do Nilo, bebe força.

[ É claro que hoje essas águas estão totalmente poluídas e não são recomendáveis o seu consumo ]




O egípcio antigo, da época faraônica, sempre teve a idéia fixa na água. 

Desde a mais remota antiguidade ele concretizou a vida na água :

a água foi o deus da vida 

-  e a vida foi a primeira forma de adoração do homem ;
o nascimento,
a origem de tudo.

Não é de estranhar que ele elogiasse o Nilo, que o adorasse, que lhe cantasse hinos em sua homenagem. 

Nas enchentes periódicas do Nilo, estavam os ciclos da vida e da morte :

" Louvado seja, ó Nilo.
  Saúde a ti que vindes tornar verde o Egito."




 



Construções, obras de pintura, tesouros, utensílios e escritas foram conservado pelo ar seco e pela areia desértica.

Os resultados arqueológicos efetuados no vale do Nilo, bem longe de despojar o país de suas relíquias, só fizeram aprofundar o espanto e a admiração que suscitam as obras do antigo Egito : 

esse Egito que não é um túmulo,
mas um berço !


Seus admiradores e estudiosos espalham-se hoje por todas as nações do mundo 
-  um mundo muito maior que os faraós jamais ousaram sonhar !





OS MONUMENTOS DO ANTIGO EGITO ESTÃO AMEAÇADOS
E PEDEM SOCORRO !



O subsolo,
o ar atmosférico,
os "colecionadores",
os exploradores clandestinos,
as violentas manifestações do povo contra a política  ( com saques e depredações ),
o urbanismo de modernas cidades
e o próprio turismo,
constituem terríveis ameaças ao passado faraônico.
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 




 
 
 
 
 
 
 
 
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário